sábado, 22 de setembro de 2012

Quenga de Coco

Quenga de Coco

Falar em quenga de coco,
É mostrar nossa riqueza,
Coco como semente,
Maduro mostra nobreza,
Dentro brota um coqueiro,
Produto da natureza.

Pra saúde é uma beleza,
Água a sede calibra,
Partido a carne é boa,
Para o estomago é fibra,
No Nordeste Brasileiro,
Quem produz se equilibra.

Até pra evitar cãibra,
Coco tem mais virtude,
Através do seu potássio,
Contribui para a saúde,
Depois que fica seco,
Mantém sua magnitude.

Vou mudar de atitude,
Quenga é o meu assunto,
Quando coco amadurece,
As descobertas eu ajunto,
Partindo ele ao meio,
Coco na quenga é conjunto.

Quenga com tudo junto,
Logo carne é raspada,
Com outros ingredientes,
A cocada é formada,
Na Paraíba a tal Quenga,
Tem fama como cocada.

Uma receita afamada,
Eu quero passar agora,
Pegue dois cocos pequenos,
E um leite nessa hora,
Tem que ser condensado,
Rale coco e eu sigo embora,

Quenga do lado de fora,
Dentro Coco embutido,
Misture o leite com coco,
Derramar está definido,
Papel alumínio em cima,
Vinte minutos acolhido.


Livre e desimpedido,
Pra dá apreciação,
Vejo quenga de coco,
Numa outra situação,
Tem quengas no cabaré,
Prontas pra degustação.

Não há recomendação,
Pois isso provoca arenga,
Outro tipo de comida,
Não tem parte com pendenga,
É quenga a Baiana,
Só não come o molenga.

Na receita dessa quenga,
Galinha caipira uma,
Tempero use a gosto,
Seis Milhos ralados numa,
Panela com óleo de soja,
Uma xícara, não uma ruma.

O resto tem quem apruma,
Na net vá pesquisando,
No final dessa receita,
Logo estarás degustando,
Vou mudando de assunto,
Em outra quenga vou falando,


Continuo aqui ensinando,
Corrigindo a quem mentia,
Vela em quenga de coco,
No São João grande a quantia,
Como cuia no sertão,
Quenga tem mais serventia.

Quenga mostrar valentia,
Em um pau vira uma concha,
Na net bolsa de quenga,
Com o uso não desmancha,
Faz pastilhas pra parede,
Formando uma linda prancha.

Garanto que não engancha,
Quenga de sapato nos pés
Com cordão e entre os dedos,
Brincava ricos e ralés,
Na Quenga come as aves,
As de casa e das marés.

E fora dos cabarés,
Tem mulher que não é dama,
Quando passa a chamam quenga,
Como se fosse da lama,
Homens com cara de quenga
Difícil quem a ele ama.

Em campo sem grama,
Botão de quenga se faz,
Raspa coco na madeira,
Na quenga coco refaz,
Quenga em botões de roupas,
Lá fora ganhou cartaz.

Para não andar pra traz,
Em quenga orquídea vive,
Tem banda quenga de coco,
Sei que até hoje revive,
Macaíba ela dá Quenga,
Em minhas mãos digo já tive.

De vocês eu obtive,
Amizade e respeito,
Pra falar sobre Jesus,
Sabem que não sou suspeito,
Não fez quenga para o mundo
Se tiver tira o defeito.

Poetizante BR
http://poetizante.blogspot.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário